Associados
Cursos e Treinamentos
Galeria de Eventos
Histórico de Gestão
 Institucional
Diretoria
Estatuto
Regimento Interno
Missão
Mural de Eventos
Observatório Social
Palavra do Presidente
Programa Empreender
Serviços
Galeria de Vídeos
 
Newsletter
 
 
Previsão do tempo
 
 Notícias

REFORMA TRABALHISTA
Palestra esclarece novas regras a empresários de Apucarana.

As principais mudanças da Reforma Trabalhista, em vigor desde o último dia 11 de novembro, foram explicadas a empresários de Apucarana durante palestra proferida pelo Dr. Maurício Mazur, juiz titular da 2ª Vara do Trabalho. O evento, realizado ontem (21), no Cine Teatro Fênix, teve duas horas de duração e foi uma promoção conjunta da ACIA, SICOOB, SIVALE, SIVANA e CÂMARA DA MULHER EMPREENDEDORA E GESTORA DE NEGÓCIOS, totalmente sem custo para associados e cooperados destas entidades.
Sancionada em julho pelo presidente Michel Temer, a reforma muda a lei trabalhista brasileira e traz novas definições sobre férias, jornada de trabalho, descanso, tempo de serviço, entre outras questões. O eixo central da lei que atualiza a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) amplia o peso das negociações entre empresas e sindicatos ou empregados, permitindo que esses acordos se sobreponham ao legislado. Algumas mudanças já podem ser adotadas imediatamente, enquanto outras dependem de regulamentação.
Veja abaixo algumas das principais mudanças:
ACORDOS COLETIVOS
Podem se sobrepor à lei, mesmo se menos benéficos, e regulamentar, por exemplo, jornadas de trabalho de até 12 horas, planos de carreira, licenças maternidade e paternidade, entre outras questões, dentro do limite de 48 horas semanais e 220 horas por mês. Anteriormente, acordos coletivos não podiam se sobrepor ao que é garantido pela CLT.
JORNADA PARCIAL
Jornadas parciais podem ser de até 30 horas semanais, sem hora-extra, ou de até 26 horas semanais com acréscimo de até seis horas-extras. Até agora, eram permitidas apenas 25 horas semanais, sem hora-extra.
FÉRIAS
A partir de agora, as férias podem ser parceladas em até três vezes. Contudo, nenhum período pode ser inferior a cinco dias, e um deles precisa ter mais que 14 dias. Antes da reforma, as férias podiam ser parceladas somente em duas vezes, e nenhum período poderia ser inferior a dez dias.
GRÁVIDAS E LACTANTES
Passam a poder trabalhar em locais insalubres considerados de graus "mínimos e médios", sendo afastadas somente a pedido médico. Em grau "máximo", o trabalho não será permitido. Antes das novas leis entrarem em vigor, grávidas e lactantes eram proibidas de trabalhar em locais insalubres, independentemente do grau.
AUTÔNOMOS
Empresas podem contratar autônomos e, mesmo se houver relação de exclusividade e continuidade na prestação do serviço, não haverá vínculo empregatício, como ocorria antes das novas regras entrarem em vigor.
HOME OFFICE
Não haverá controle de jornada. A remuneração do trabalho realizado em casa será por tarefa. No contrato de trabalho deverão constar, além das atividades desempenhadas, regras para equipamentos e definição de responsabilidade pelas despesas. O comparecimento às dependências da empresa contratante para a realização de atividades especificas não descaracteriza o home office.
TRABALHO INTERMITENTE
Passam a ser permitidos os contratos em que o trabalho não é contínuo. A convocação do empregado deve ocorrer com três dias de antecedência. A remuneração é por hora de trabalho e não poderá ser inferior ao valor da hora aplicada no salário mínimo. Anteriormente, a CLT não previa esse tipo de vínculo. Os trabalhadores nessas condições terão direito a férias, FGTS, previdência e 13º salário proporcionais.
ALMOÇO
A CLT determina um período obrigatório de uma hora de almoço. A nova regulamentação permite a negociação entre empregador e empregado. Em caso de redução do intervalo para almoço, o tempo deve ser descontado da jornada de trabalho.
AÇÕES NA JUSTIÇA
O trabalhador que não comparecer a audiências ou perder ações na Justiça terá de pagar custos processuais e honorários da parte contrária. Caso o juiz entenda que agiu de má fé, poderá haver multa e pagamento de indenizações. No caso de ações por danos morais, a indenização por ofensas graves cometidas pelo empregador deverá ser de no máximo 50 vezes o último salário contratual do trabalhador. Será obrigatório ainda especificar os valores pedidos nas ações na petição inicial.


 
Cotações
ggf
gf
Associações Links Rápidos
Parceiros